PLANTÃO DE NOTÍCIA
Search

Beber vinho pode matar células de câncer, revela um novo estudo

 Beber vinho pode matar células de câncer, revela um novo estudo
Uma pesquisa sobre câncer apontou que o resveratrol, presente nas uvas, reduziu o número de células cancerígenas pela metade em testes científicos realizados em ratos. As cobaias haviam sido expostas a um químico, existente no cigarro.
Alguns dos roedores desenvolveram câncer de pulmão e receberam o resveratrol por 26 semanas. No segundo grupo havia ratos que não tinham desenvolvido a doença, mas que também receberam o composto. No terceiro grupo estavam outros animais doentes, que não receberam tratamento.
Câncer de pulmão e resveratrol
O composto apenas alcança o pulmão quando inalado – e como tal os ratos os receberam via nasal. Os resultados da pesquisa, publicada no periódico Scientific Reports, mostraram que o resveratrol reduziu o número de células com o tumor em 45% nos ratos doentes. Esses animais também tinham alguns tumores que diminuíram em tamanho após a terapia.
Nos ratos que estavam sem a doença no início do estudo, 37% desenvolveram o câncer durante a experiência. “O resveratrol pode, sim, ter um papel de prevenção contra o câncer de pulmão”, disse o autor da pesquisa, o professor Muriel Cuendet ao jornal britânico The Daily Mail.
Quando tomado como um comprimido, o resveratrol desfaz-se em poucos minutos, muito antes de alcançar o pulmão. “O nosso desafio consistiu em encontrar uma fórmula em que a substância poderia ser solúvel em grandes quantidades”, revelou o outro autor da pesquisa, Aymeric Monteillier. Quando inalada, a concentração de resveratrol foi 22 vezes maior do que quando tomada via oral.
Atualmente os cientistas estão planejando um teste para humanos de modo a determinar quem pode fazer parte de um tratamento preventivo com o resveratrol. Como o composto já é utilizado em suplementos alimentares, já se sabe que é seguro, o que pouparia testes de segurança.



0 Você está em: “Beber vinho pode matar células de câncer, revela um novo estudo